Notícias
12
abr
2019
União Europeia vai forçar fabricantes a alterar frente dos camiões
Portugal
No passado dia 26 de Março foi aprovada, através de votação no Parlamento Europeu, uma lei que obriga as fabricantes a alterar a configuração da frente dos camiões que são comercializados na União Europeia.
 
A informação, adiantada e dissecada pelo fórum Transport & Environment (T&E), indica que estas alterações nos projectos de camiões poderão de facto salvar vidas, reduzir emissões de carbono e poupar combustível.
 
A votação no Parlamento Europeu (PE), entre os governos e os deputados do PE, também incidiu sobre um padrão de segurança de ‘visão directa’ que aumentará de forma significativa a segurança dos camiões.
 
Assim, os fabricantes deverão alongar as cabinas em 80/90 centímetros, mas somente se usarem o espaço para proporcionar melhor visão do banco do motorista, melhorar a aerodinâmica, adicionar novos recursos de segurança e aumentar o conforto do motorista.
 
Como resultado, os novos projectos de cabine de camiões na Europa deverão incluir pára-brisas maiores para ver ciclistas e pedestres e ter linhas mais aerodinâmicas para reduzir o uso de combustível e a poluição.
 
James Nix: «Esta reforma é vantajosa para a indústria e para o público»
«Esta reforma é vantajosa para a indústria e para o público. O camião do futuro será mais elegante, reduzindo as despesas com combustível e as emissões. Também será mais seguro através de uma melhor visão dos ciclistas e peões em particular. E os próprios motoristas do camião terão mais conforto dentro da cabine», comentou James Nix, director de Transportes da T&E.
 
Estes novos camiões deverão chegar às estradas europeias a partir de 1 de Setembro de 2020. «A próxima pergunta é em quanto tempo os fabricantes aproveitarão o novo projecto de design da UE. A UE lançou o tapete vermelho para a próxima geração de cabines de camiões. Se os fabricantes de camiões europeus não os entregarem, os fabricantes americanos e asiáticos fá-lo-ão. A corrida começou», rematou James Nix.
 
Fonte, Revista Cargo.
< voltar
Newsletter
A carregar...